Motoristas inDrive e 99 buscam acordo sobre tarifas na Justiça

As disputas judiciais entre empresas de transporte por aplicativo e seus “trabalhadores avulsos”, vez por outra, acabam vindo ao público. Dessa vez, motoristas inDrive e 99 buscaram acordo sobre tarifas na Justiça do Rio Grande do Sul.

Houve duas audiências para negociação entre o chamado Simtrapli/RS (Sindicato dos Motoristas em Transportes Privados por Aplicativos do estado do Rio Grande do Sul) e as duas empresas de transporte por app. Mas, até o momento, não se chegou a um acordo final.

As audiências aconteceram com a mediação do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT4), no Rio Grande do Sul. Até o dia 1º de junho de 2021, a situação encontrava-se em aberto, ou seja, não houve um acordo justo para as partes.

O que o inDrive alega para não fechar acordo?

A reinvidicação do Simtrapli/RS é que, tanto a 99 quanto a plataforma de transporte russa inDrive, adotem um padrão tarifário viável.

Como o inDrive atua no sistema de leilão de tarifas (o passageiro e o motorista negociam um melhor preço dentro da média de mercado), representantes jurídicos da empresa rejeitaram a proposta do sindicado.

Para o inDrive, não há compatibilidade entre o sistema de negócios da empresa e o que querem os motoristas gaúchos. A fixação de um preço mínimo vai de encontro ao sistema de leilão de valores.

O que alega a 99 para rejeitar a proposta sindical?

Os condutores de veículos pelo aplicativo 99 querem que a plataforma faça um reajuste de cerca de 42% nos preços cobrados e que também seja suspenso o programa “99poupa“, porque ele, segundo o Simtrapli, dá benefícios aos passageiros, mas reduz os ganhos dos motoristas.

A representação jurídica da da 99 no RS rejeitou todas as reivindicações. Mas, apesar disso, ela pediu um prazo para analisar tudo com calma e consultar a matriz da 99.

O TRT permitiu o tempo e recomendou que em 15 dias a 99 se reapresente, para fazer uma contraproposta.

Bloqueio de sindicalista

Outro ponto é que na audiência com a 99, houve muito conflito, porque uma funcionária do Simtrapli encontra-se bloqueada da plataforma, sem motivo claro, aparentemente.

O 99 alegou que o bloqueio não tem nada a ver com uma contrapartida antissindical, mas sim, foram adotadas as regras do aplicativo.

Para a 99, portanto, “a motorista foi bloqueada por violar os termos de uso da plataforma”. O Simtrapli vai recorrer.

Motoristas inDrive e 99: canais de comunicação

Reivindicação mais do que justa e recorrente, os motoristas dos aplicativos inDrive e 99 no RS quem que os canais de comunicação das empresas seja aperfeiçoado.

Isso porque a questão da segurança tem sido a principal motivadora. Ou seja, os sindicalistas querem que a categoria tenha mais instrumentos que garantam a melhor verificação da idoneidade dos passageiros, ainda bem deficiente no inDrive e no 99.

Fim do Cabify

Em junho, o Simtrapli/RS também protestou contra o fim das atividades do aplicativo Cabify no Brasil, que estava marcada para 14 de junho de 2021.

A audiência propôs alguma espécie de indenização aos associados.

Edição do Clube inDriver, com informações do Extra Classe.

Alberto Vicente (DRT-5272-BA) é formado em Letras (UEFS) e desde 1997 vem acumulando experiência na redação de textos para blogs e sites.

    tem 187 posts e contando. Ver todos os posts de

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *